O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/8

euro_symbol€ 85,000 - 127,500 Base - Estimativa

remove_shopping_cart€ 0Retirado - Disponível para compra

chevron_leftLote anterior 8 chevron_rightLote seguinte

CARLOS REIS - 1863-1940 "Cristáes" óleo sobre tela restauros, pequena falta na camada pictórica assinado Dim. - 54,5 x 65,5 cm Notas: integrou a Décima Quinta Exposição da Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa, de 9 de Maio a 8 de Junho de 1918, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo, pp. 33 e 183, tendo sido, por sinal, a obra de valor mais elevado na referida exposição (4.500$00, valor superior ao da obra "Partida para o Brazil; último olhar à aldeia" de José Malhoa, que era de 3.500$00). Vd. REIS, Pedro Carlos - "Carlos Reis". Lisboa: ACD Edições, Consultoria e Criações, 2006, pp. 200 e 372; e GONÇALVES, Artur e LOPES, Gustavo de Bivar Pinto - "Carlos Reis". Torres Novas: Câmara Municipal de Torres Novas, 1942, p. 36. Ainda estudante da Academia de Belas-Artes de Lisboa, participa em 1886 e 1887 nas exposições do Grupo do Leão. De origens modestas, teve grande suporte no príncipe herdeiro D. Carlos, que lhe financiou os estudos na Academia e posteriormente em Paris, como pensionista do Estado. Em 1895 regressa a Lisboa, sucedendo a Silva Porto como professor de Paisagem na Escola de Belas-Artes. As pinturas que apresenta nos salões do Grémio Artístico e da SNBA, de grandes dimensões, introduzem uma exuberância colorista inédita no Naturalismo português. Foi igualmente um retratista apreciado, respondendo a inúmeras encomendas. A partir de 1910, constitui com alguns alunos o grupo “Ar Livre”, mais tarde denominado “Silva Porto”, que prolongará a estética naturalista pelas primeiras décadas do século XX. Nomeado director do Museu Nacional de Belas-Artes em 1905, foi igualmente o primeiro director do Museu Nacional de Arte Contemporânea, com o advento da República. Monárquico assumido, seria substituído por Columbano em 1914. A partir dessa data, inicia uma fase de descoberta da serra da Lousã, onde constrói atelier em 1918, e se fixa definitivamente, desenvolvendo a sua pintura de paisagem e colhendo inspiração nos costumes locais. Carlos Gonçalves in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem