O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/8

euro_symbol€ 140,000 - 210,000 Base - Estimativa

gavel€ 165,000Vendido

chevron_leftLote anterior 7 chevron_rightLote seguinte

COLUMBANO BORDALO PINHEIRO - 1857-1929 "Na floresta de Fontainebleau" - Retrato do pintor Artur Loureiro a pintar em Fontainebleau óleo sobre madeira assinado e datado de 1882 Dim. - 40 x 31,5 cm Notas: integrou a exposição "Columbano Bordalo Pinheiro 1874-1900", realizada no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, Lisboa, de 16 de Fevereiro a 27 de Maio de 2007, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo, no qual se identifica o artista representado. Lisboa: Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 2007, pp. 102-103. A sua formação artística desenvolveu-se num ambiente familiar, entre os estudos de pintura holandesa e flamenga, exigidos pelo pai, o artista Manuel Maria Bordalo Pinheiro e o contacto com o realismo, sob influência do seu irmão mais velho, Rafael Bordalo Pinheiro. Aluno pouco assíduo da Academia de Belas-Artes de Lisboa, Columbano estreou-se nas exposições da Sociedade Promotora das Belas-Artes com pequenos quadros de género, na década de 70. Em 1880 obtém o pensionato particular da Condessa d’Edla para uma estada em Paris, depois de ser preterido em dois concursos do Estado. Antes de partir, realiza um conjunto de pinturas, importantes pela observação crítica e irónica de ambientes burgueses portugueses e realiza, já em Paris, Concerto de Amadores, obra intimista de grandes dimensões, recusada no salão da Promotora de 1883 e mal entendida por uma crítica artisticamente pouco preparada. Em Lisboa, regista a camaradagem do Grupo do Leão, 1885, num grande retrato colectivo, centrado na figura do mestre da geração naturalista, Silva Porto. Realiza várias decorações em palacetes particulares, como o Valenças, Museu de Artilharia e sala dos Passos Perdidos da Assembleia da República, onde regista, em vastos painéis, um interessante conjunto de políticos contemporâneos que associa a figuras marcantes da História de Portugal. Dedica-se preferencialmente ao retrato de amigos e familiares, nos anos 80, numa paleta de tonalidades claras, que posteriormente escurece, nos retratos de intelectuais portugueses, já na viragem do século, numa característica pintura em mancha e tonalidades, terminando numa obsessiva preocupação pelo tratamento da luz que desmaterializa a figura. Pioneiro do realismo, as suas obras referenciam artistas como Velázquez, Rembrandt, Manet, Degas, Courbet, Fantin-Latour. Amigo de Sargent, próximo da estética do alemão Leibl, Columbano constrói uma original modernidade. Maria Aires Silveira in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem