O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/6

euro_symbol€ 150,000 - 225,000 Base - Estimativa

gavel€ 150,000Vendido

chevron_leftLote anterior 18 chevron_rightLote seguinte

MÁRIO ELOY - 1900-1951 "O livro azul" óleo s/ tela assinado (1932-1933),61 x 55cm Notas: integrou a Colecção Fernando Abranches Ferrão. Integrou a 1ª Exposição de Arte Moderna, realizada na Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa, em 1935, encontrando-se mencionada no respectivo catálogo com o nº 47. Integrou a “Exposição Retrospectiva - Obras de Mário Eloy”, realizada no Secretariado Nacional de Informação, Lisboa, e na Escola Superior de Belas-Artes, Porto, em Março e Maio de 1958, encontrando-se mencionada no respectivo catálogo. Lisboa: Secretariado Nacional de Informação, 1958, nº 26. Integrou a exposição "Mário Eloy - Exposição retrospectiva", realizada no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, Lisboa, de 12 de Julho a 29 de Setembro de 1996, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo. Lisboa: Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 1996, pp. 144-145, nº 61. Integrou a exposição "Modernismo in Portogallo 1910-1940. Arte e società nel tempo di Fernando Pessoa", realizada no Palazzo Medici Riccardi, Florença, de 23 de Maio a 20 de Julho, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo. Florença: L. S. Olschki, 1997, nº 48. Integrou a exposição "Splendors of Portugal: Five Centuries of Art, 1450-1950", realizada no Fuji Art Museum, Tóquio, de 17 de Outubro a 28 de Novembro de 1999, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo. Tóquio: Fuji Art Museum, 1999, pp. 132 e 218. Reproduzida em SEGURADO, Jorge - "Mário Eloy - pinturas e desenhos". Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982, nº 41. Reproduzida em AFONSO, Lígia - "Mário Eloy". Porto: QuidNovi, 2010, p. 33. Um carácter desequilibrado e uma doença psicomotora degenerativa, que acabarão por conduzir Eloy, em 1945, ao internamento num hospital para alienados mentais até à sua morte, rodeariam a vida e a obra do pintor de uma áurea de artista desequilibrado e maldito, provocando, por vezes, leituras redutoras. Regista-se uma breve passagem pela Escola de Belas-Artes (1912–13), que logo abandonaria insatisfeito com o ensino académico, e uma fuga para Madrid em 1919. No seu regresso começa a pintar a óleo, claramente influenciado pela tradição naturalista de Columbano Bordalo Pinheiro, a que se seguirá a de Eduardo Viana, que introduz novas referências modernas no seu trabalho. Ambas as vias estarão presentes na primeira exposição individual em 1924. No ano seguinte parte para Paris onde vai absorvendo, com celeridade, experiências provenientes de nomes e movimentos diversos, como Cézanne, Picasso, Matisse, que integra numa leitura pessoal. Mas será o conhecimento da pintura de Van Dongen, Kokoscha e Hoffer que abrirão o seu trabalho para o Expressionismo e o encaminharão em 1927 para Berlim. Aqui permanece até 1932, com viagens frequentes a Lisboa, onde apresenta individualmente a sua obra, da qual representa tipos populares portugueses e alguns retratos. Participa na vida artística berlinense como ilustrador de revistas (Der Querschnitt) e em exposições colectivas importantes. Já em Lisboa participa activamente nas mais importantes exposições aqui organizadas, obtendo o prémio Amadeo Souza-Cardoso. Mas em 1935, a sua obra começa a transformar-se acusando já sinais do processo de distanciamento do mundo causados pela sua doença, e a desrealização de cenas quotidianas, a inquietação, a tortura e a angústia pontuam o conjunto de pinturas e desenhos da fase final. Maria Jesús Ávila in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem