O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/7

euro_symbol€ 80,000 - 120,000 Base - Estimativa

remove_shopping_cart€ 0Retirado - Disponível para compra

chevron_leftLote anterior 17 chevron_rightLote seguinte

SARAH AFFONSO - 1899-1983 "Mãe" óleo sobre tela assinado e datado de 1932 Dim. - 120 x 80 cm Notas: integrou o I Salão de Inverno, realizado na Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa, em 1932-1933, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo. Lisboa: Sociedade Nacional de Belas Artes, 1932, nº 74. Pintora e ilustradora portuguesa, a sua vida e obra associam-se à de seu marido, José de Almada Negreiros. Passa a juventude no Minho, contexto que a inspira para as temáticas e artes populares que irá cultivar na sua obra. Parte para Paris em 1924, após concluir os estudos de pintura da Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde foi aluna de Columbano Bordalo Pinheiro. Na capital francesa expõe no Salon d’Automne, sendo recebida com sucesso. Entre 1928 e 1929 trabalha no atelier de uma modista, executando croquis de moda. Esta experiência será continuada em Portugal, onde realizará desenhos de moda para diversas revistas. Em 1930 participa do primeiro Salão de Artistas Independentes. Integrada no meio artístico português, torna-se uma das primeiras mulheres a frequentar as tertúlias do café A Brasileira do Chiado. Aos 35 anos casa-se com Almada Negreiros. Em 1939 expõe individualmente os seus trabalhos e no ano seguinte participa na Exposição do Mundo Português. Recebe o prémio Amadeo de Souza-Cardoso, em 1944 e, em 1953, integra a delegação portuguesa na Bienal de São Paulo. Pintora muito activa, apresentou retrospectivas da sua obra em 1953, 1962, 1975 e 1980. O seu trabalho distingue-se pela atenção dada aos costumes populares, às festas e às tradições portuguesas, em composições de tons alegres mas doces, e marcadas pela aliança entre uma componente erudita da sua formação como pintora e o claro gosto pela linguagem naïf inspirada na arte popular. Joana Baião in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem