O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/6

euro_symbol€ 20,000 - 30,000 Base - Estimativa

gavel€ 32,000Vendido

chevron_leftLote anterior 23 chevron_rightLote seguinte

JOÃO HOGAN - 1914-1989 Vale de Alcântara óleo sobre tela assinado Dim. - 37 x 59 cm Notas: Formado em marcenaria, ingressa na Sociedade Nacional de Belas-Artes para estudar pintura. Em 1941 expõe pela primeira vez os seus trabalhos, no Secretariado Nacional de Informação, e entre 1947 e 1949 participa nas Exposições Gerais de Artes Plásticas da SNBA, recebendo em 1949 a terceira medalha de Pintura. Realiza a primeira exposição individual em 1951. Influenciado por William Hayter, começa a explorar as potencialidades do trabalho em gravura em 1957, sendo sócio fundador da Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, em Lisboa. Parte para Paris em 1958, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1961 recebe nova bolsa para desenvolver trabalho em Portugal e recebe o primeiro prémio de pintura da II Exposição de Artes Plásticas daquela fundação. Durante as décadas de 1960 e 1970 expõe regularmente em Portugal e no estrangeiro, sendo distinguido com diversos prémios. Em 1976 forma o grupo «5 + 1», com os pintores Teresa Magalhães, Júlio Pereira, Sérgio Pombo, Guilherme Parente e com o escultor Virgílio Domingues. Dá aulas de pintura e de técnicas de gravura na Ar.Co, entre 1976 e 1981, mantendo uma intensa actividade artística até ao ano de sua morte. Essencialmente figurativo no início da sua carreira, após a estadia em Paris o seu trabalho desenvolve-se numa linguagem baseada na simplificação das superfícies e dos volumes. O trabalho de Hogan enquanto pintor e enquanto gravador são distintos e reflectem uma dualidade conceptual e formal: na pintura recria paisagens desoladas e rudes, num imaginário próprio; na gravura explora um universo fantástico e onírico habitado pelo homem, aproximando-se muitas vezes da Abstracção. Joana Baião in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem