O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

3 a 12 de Setembro de 2024
Terças e quintas-feiras, a partir das 19h
Valor
Presencial
€ 140 (curso completo)
Nota: No curso presencial não será possível a frequência por módulo, apenas de forma completa.
Online
€ 100 (curso completo)
€ 30 (por módulo)

PT EN
Curso exclusivamente em inglês
CURSO LIVRE DE PORCELANA CHINESA DE EXPORTAÇÃO - SÉCULOS XVI A XVIII

FORMADOR
Professora Doutora Teresa Canepa

Apresentado a partir de uma perspetiva histórica da arte, este curso proporcionará uma introdução ao comércio da porcelana produzida na China para o mercado de exportação entre os séculos XVI e XVIII.

DESCRITIVO DO CURSO

Apresentado a partir de uma perspetiva histórica da arte, este curso proporcionará uma introdução ao comércio da porcelana produzida na China para o mercado de exportação entre os séculos XVI e XVIII, durante o final da dinastia Ming (1368-1644) e o início da dinastia Qing (1644-1912), para compreender algumas das primeiras interacções comerciais e artísticas que ocorreram entre o Oriente e o Ocidente no período Moderno.
O curso será estruturado em quatro módulos com aulas teóricas dedicadas à apresentação e discussão da produção de porcelana em Jingdezhen, situada na província de Jiangxi - onde os fornos imperiais produziam porcelana para o Imperador e para a sua corte, enquanto os fornos privados produziam porcelana para o mercado interno e para exportação - e em Zhangzhou e Dehua, situadas na província costeira do sul de Fujian, bem como as redes de comércio de longa distância através das quais a porcelana circulou para o Ocidente e Japão e as formas como foram adquiridas e utilizadas, explorando simultaneamente a sua importância social, económica, cultural e simbólica.
O último módulo destacará os complexos processos de interação cultural e artística que ocorreram durante estes três séculos. Uma seleção de peças de porcelana sobreviventes, feitas por encomenda em fornos privados em Jingdezhen, Zhangzhou e Dehua para o mercado europeu, que se encontram entre as porcelanas mais interessantes produzidas na China durante o final da dinastia Ming e o início da dinastia Qing, ilustrará a forma como as encomendas especiais influenciaram a produção de porcelana e como os gostos e as exigências específicas dos clientes europeus se alteraram ao longo do tempo. Para além de fontes textuais e visuais relacionadas com o comércio de porcelana chinesa de exportação, as sessões apresentarão ainda uma vasta quantidade de material proveniente de sítios arqueológicos marinhos e terrestres na China, na Europa, nas Américas, nas Caraíbas e no Japão.

INSCRIÇÕES

As inscrições são limitadas e obrigatórias.

Para inscrições ou mais informações.

DURAÇÃO

12h - 4 sessões de 3h00

DATAS E VALORES

3 a 12 de Setembro de 2024
Terças e quintas-feiras, a partir das 19h

Presencial
€ 140 (curso completo)
Nota: No curso presencial não será possível a frequência por módulo, apenas de forma completa.

Online
€ 30 (por módulo)
€ 100 (curso completo)

LOCALIZAÇÃO

Cabral Moncada Leilões
Rua Miguel Lupi, 12 D, 1200-725 Lisboa

CALENDÁRIO

3 de Setembro - 19h - exclusivamente online* (streaming direto)
Módulo 1 Dinastia Ming, século XVI e início do século XVII
───
5 de Setembro - 19h - exclusivamente online* (streaming direto)
Módulo 2 Dinastia Qing, final do século XVII e século XVIII
───
10 de Setembro - 19h - presencial ou online
Módulo 3 O comércio ibérico de porcelana chinesa, séculos XVI a XVIII
───
12 de Setembro - 19h - presencial ou online
Módulo 4 Influência europeia na porcelana chinesa, séculos XVI a XVIII

*Os Módulos 1 e 2 vão ser ministrados exclusivamente online, existindo a possibilidade, para quem assim deseje, de assistir à projecção dos respectivos Módulos na Sede da Academia Cabral Moncada Leilões.

FORMADOR

Professora Doutora Teresa Canepa

Investigadora independente e professora de arte de exportação chinesa e japonesa dos séculos XVI e XVII, Teresa Canepa concluiu o doutoramento em História da Arte na Universidade de Leiden, Países Baixos (2015), e um mestrado em Belas Artes e Arte Decorativa no Instituto Sotheby's, Londres (2000). É Fellow da Royal Asiatic Society em Londres, membro do Conselho da Oriental Ceramic Society (OCS) em Londres e co-editora do OCS Newsletter desde 2017, tendo sido recentemente nomeada Professora Visitante na Escola de Estudos Internacionais da Jingdezhen Ceramic University em Jingdezhen, China. O principal foco da sua investigação atual é a produção de porcelana chinesa para os mercados doméstico e de exportação no século XVII, durante o final da dinastia Ming e o início da dinastia Qing. É autora de dois livros, Silk, Porcelain and Lacquer: China and Japan and their trade with Western Europe and the New World, 1500-1600 (Paul Holberton Publishing, Londres, 2016), e Jingdezhen to the World: The Lurie Collection of Chinese Export Porcelain from the Late Ming Dynasty (Ad Ilissvm, Londres, 2019), e coautora, com Katharine Butler, do livro Leaping the Dragon Gate. The Sir Michael Butler Collection of 17th -Century Chinese Porcelain (Ad Ilissvm, Londres, 2021). Tem dado palestras e publicado amplamente sobre estes temas, tanto a nível nacional como internacional.

ESTRUTURA DO CURSO

MÓDULO 1 exclusivamente online* (streaming direto)
Dinastia Ming, século XVI e início do século XVII

Esta primeira sessão introdutória começará com uma breve panorâmica da produção de porcelana chinesa para o mercado de exportação das dinastias Tang (618-907) e Ming. Serão abordadas algumas peças individuais de porcelana que se sabe terem chegado à Europa na Idade Média e no Renascimento através da famosa rota terrestre, a Rota da Seda, ou por navio através do Golfo Pérsico ou do Mar Vermelho para a Turquia, Egipto e Veneza. A atenção centrar-se-á na porcelana de exportação produzida nos séculos XVI e XVII, durante os reinados dos imperadores Ming Zhengde (1506-21) a Chongzhen (1628-44), oferecendo uma visão da expansão europeia para a Ásia na época, através dos oceanos Atlântico e Pacífico, que acabou por conduzir a um comércio, transporte e con- sumo de porcelana em grande escala sem precedentes em todo o mundo, até ao colapso da dinastia Ming em 1644. Esta sessão permitirá conhecer os diferentes tipos e técnicas decorativas das porcelanas dos fornos privados de Jingdezhen e Zhangzhou, que foram importadas, utilizadas e apreciadas por diferentes sociedades da Europa, das Américas, da Ásia e do Médio Oriente. Serão discutidas algumas porcelanas de Jingdezhen que reflectem o grande espírito inovador dos ceramistas e pintores de porcelana altamente qualificados de um grupo selecionado de fornos privados, numa altura em que foram libertados dos severos controlos do patrocínio imperial Ming, após o encerramento dos fornos imperiais em 1608, durante o reinado do Imperador Wanli (1573-1620), e puderam assim criar novas formas e estilos decorativos que apelavam especificamente a diferentes mercados privados, tanto nacionais como de exportação.

MÓDULO 2 exclusivamente online* (streaming direto)
Dinastia Qing, final do século XVII e século XVIII

A segunda palestra centrar-se-á na porcelana chinesa produzida para exportação nos finais dos séculos XVII e XVIII, durante os primeiros reinados da subsequente dinastia Qing. Abordar-se-á brevemente a forma como o comércio de porcelana para exportação foi gravemente perturbado por um estado de crise e agitação civil e pelas guerras contra os Manchus nos meses anteriores à queda da dinastia Ming, bem como pelas proibições ao comércio marítimo emitidas no reinado do primeiro imperador Qing, Shunzhi (1644-61) e no reinado subsequente do imperador Kangxi (1661-1721). E como, depois de um complexo industrial de fornos imperiais ter sido devidamente organizado em Jingdezhen, em 1683, para fornecer porcelana ao Imperador Kangxi e de o patrocínio imperial ter sido restaurado, houve uma abordagem inovadora às formas, técnicas decorativas e estilos de pintura nos fornos privados. As peças de porcelana serão discutidas para ilustrar a forma como os oleiros de Jingdezhen recuperaram os vários mercados de exportação que tinham perdido, produzindo uma vasta gama de porcelanas que responderam rapida- mente às mudanças de gostos, tradições culinárias e hábitos sociais dos seus clientes cada vez mais exigentes na Europa, nas Américas, na Índia e no Médio Oriente. Estas porcelanas de exportação de Jingdezhen, bem como as produzidas nos fornos do sul de Dehua, estavam agora a competir com a porcelana de exportação do Japão (produzida pela primeira vez em cerca de 1620). Será demonstrado que, no final do século XVII, uma grande variedade de objectos de porcelana chinesa foi importada para a Europa, Améri- cas e Caraíbas para a preparação e consumo de três novas bebidas quentes - chá, café e chocolate - que se tinham tornado moda e eram consumidas tanto em espaços públicos como privados. E que, no final do século, os serviços de jantar em porcelana, até cerca de 500 peças de vários tipos, entraram na moda e passaram a ser encomendados em quan- tidades cada vez maiores no século XVIII.

MÓDULO 3 presencial ou online
O comércio ibérico de porcelana chinesa, séculos XVI a XVIII

A terceira palestra analisará o importante papel desempenhado pelos portugueses - os primeiros europeus a chegar à Ásia - na importação regular e em grandes quantidades de porcelana chinesa, maioritariamente fabricada para exportação para a Europa a partir do início do século XVI. Será brevemente abordada a forma como a corte real portuguesa, assumindo um papel de intermediária entre o Oriente e o Ocidente, difundiu o gosto pela aquisição e coleção de porcelana, criando uma procura na Europa. A corte real espanhola, ligada por laços matrimoniais, difundiu também o gosto pela porcelana entre os familiares de outras cortes europeias, entre o clero, a nobreza e os comerciantes abas- tados dos Países Baixos meridionais (então governados por Espanha). Mostrar-se-á que a procura deste novo material se espalhou rapidamente e alterou drasticamente a forma como as pessoas comiam e bebiam na Europa e nas Américas, bem como a decoração das suas casas na Europa. Será dado especial ênfase à apresentação dos vários tipos de porcelana exportados para Portugal através de Macau, para Espanha através de Manila e para as colónias portuguesas e espanholas nas Américas, para mostrar como as suas formas e estilos decorativos mudaram ao longo do tempo.

MÓDULO 4 presencial ou online
Influência europeia na porcelana chinesa, séculos XVI a XVIII

O último módulo abordará brevemente uma grande variedade de peças de porcelana datadas dos séculos XVI a XVIII que reflectem a influência europeia. Estas porcelanas eram fabricadas por encomenda nos fornos privados de Jingdezhen, Zhangzhou e Dehua e eram decoradas com motivos europeus ou feitas segundo formas europeias de metal e/ou cerâmica. As primeiras peças conhecidas, feitas em Jingdezhen para o mercado português durante o reinado do Imperador Zhengde (1506-21), combinam motivos tradi- cionais chineses com motivos europeus relacionados com a Coroa Portuguesa, a nobreza e a Igreja, e inscrições portuguesas e latinas. Algumas peças existentes mostrarão que a procura desta porcelana especialmente encomendada se espalhou rapidamente. No final do século XVI já se fabricava por encomenda para o mercado espanhol, e no início do século XVII para os mercados holandês e alemão. E, no final do século, alguns dos serviços de jantar e conjuntos de chá e café encomendados a Jingdezhen por comerciantes ingleses, holandeses e franceses incluíam peças feitas segundo formas europeias e/ou decoradas com brasões ou brasões europeus, ou cenas figurativas baseadas em gravuras e desenhos europeus. No século XVIII, foram importadas para a Europa quantidades cada vez maiores destas peças, com uma variedade de técnicas decorativas e estilos de pintura.

Mensagem