O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/7

euro_symbol€ 18,000 - 27,000 Base - Estimativa

gavel€ 18,000Vendido

chevron_leftLote anterior 47 chevron_rightLote seguinte

CARLOS BOTELHO - 1899-1982 Vista de Lisboa óleo sobre tela ínfima raspagem na camada pictórica assinado e datado de 1967 Dimensões (alt x larg x prof) - 34 x 41 cm Notas: integrou a exposição "Óleos de Carlos Botelho - 1967-1972", realizada na Galeria São Mamede, Lisboa, em Junho de 1972, encontrando-se reproduzida no respectivo catálogo. Lisboa: Galeria São Mamede, 1972, estampa 15.

Ilustrador, decorador, autor de banda desenhada e pintor, referência do Modernismo em Portugal. Apesar de manter alguma actividade artística na sua juventude, publicando banda desenhada e colaborando assiduamente com alguns periódicos, Botelho ingressa na Escolade Belas-Artes de Lisboa apenas aos trinta anos, desistindo um ano depois, descontente com o ensino académico
de pendor clássico. Parte então para Paris, onde estuda na Academia Chaumière e na Academia Colarossi. Expõe no Salão dos Independentes de Lisboa em 1930. Ao longo da década de 30, publica os seus trabalhos em revistas como a Turismo, Notícias Ilustrado, Crónica Ilustrada, Domingo Ilustrado ou ABC. Em 1933 foi assistente de realização de Cotinelli Telmo no filme A Canção
de Lisboa. Em 1939 passa um largo período nos Estados Unidos da América, integrando a equipa de decoradores dos pavilhões portugueses das exposições internacionais de Nova Iorque e São Francisco. No ano seguinte colabora na Exposição do Mundo Português e é agraciado com o prémio Columbano. Ao longo da sua carreira participou em numerosas exposições nacionais e internacionais, realçando-se as distinções que ganhou na primeira e terceira edições da Bienal de São Paulo,
no Brasil (1951 e 1955). Como pintor, foi como retratista da sua Lisboa natal que mais se distinguiu.
O seu atelier na Costa do Castelo, onde trabalhou desde 1930, proporcionou-lhe a inspiração para captar as cores e a luminosidade que caracterizam a capital portuguesa. A Câmara Municipal
de Lisboa atribui, desde 1989, um prémio com o seu nome para a melhor pintura sobre a cidade.

Joana Baião
in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem