O site da Cabral Moncada Leilões utiliza Cookies para proporcionar aos seus utilizadores uma maior rapidez e a personalização do serviço prestado. Ao navegar no site estará a consentir a utilização dos Cookies.Saiba mais sobre o uso de cookies

Sessão única | October 18, 2021  | 54 Lotes

1/7

euro_symbol€ 20,000 - 30,000 Base - Estimativa

gavel€ 20,000Vendido

chevron_leftLote anterior 40 chevron_rightLote seguinte

VELOSO SALGADO - 1864-1945 Paisagem com figura óleo sobre tela reentelado, ínfimo restauro assinado e datado de 1896 Dimensões (alt x larg x prof) - 43 x 61 cm Notas: integrou a colecção Jorge de Brito.

Integrou a exposição "Veloso Salgado - 1864-1945", realizada no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, Lisboa, de 1 de Julho a 26 de Setembro de 1999, encontrando-se reproduzida em "Veloso Salgado - 1864-1945". Lisboa: Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 1999, p. 189, nº 125.


Em 1883 – 1885 frequenta as aulas da Academia de Belas-Artes de Lisboa onde tem como professores Simões de Almeida (tio), em desenho, e José Ferreira Chaves, em pintura. Em 1887, concorre para pensionista do Estado no estrangeiro com o quadro A Morte de Catão, sendo aprovado por unanimidade. Em Paris é admitido na Escola de Belas-Artes, frequentando os ateliers de Cabanel, Delaunay e, sobretudo, de Benjamin Constant, Laurens e Cormon. Estabelece relações de amizade com o pintor Jules Breton, e com a filha e genro deste, que lhe possibilitam estadias na Bretanha, onde se dedica à pintura. De 1890 a 1894 expõe no Salon, no Grémio Artístico,
na Exposição de Arte de Munique e na Exposição Universal de Antuérpia, vencendo vários concursos e recebendo várias medalhas, designadamente com Amor e Psyché e com o Retrato de Braancamp Freire. É eleito Académico de Mérito da Academia de Belas-Artes de Lisboa.
Regressado a Lisboa, em Dezembro de 1895 torna-se professor interino da Escola de Belas-Artes, por impedimento do seu amigo José Ferreira Chaves, vindo a tornar-se efectivo em 1897, batendo Columbano no concurso de admissão. Entretanto, pinta o grande Retrato equestre da Rainha D. Amélia, que expõe no Salon, participa na sexta Exposição do Grémio Artístico em 1896 e é premiado com uma medalha de ouro na Exposição Universal de Berlim. Em 1898 vence o concurso das comemorações do Centenário do descobrimento da Índia com o quadro histórico Vasco da Gama perante o Samorim. Decora a sala de audiências do Tribunal de Comércio na Bolsa do Porto, em 1901 participa na Exposição Internacional de Arte de Dresden e inicia pinturas para o Museu de Artilharia (até 1905). Participa na Exposição Universal de St. Louis, onde é premiado com uma medalha de prata. Em 1906 executa “A Medicina através dos séculos”, conjunto de grandes painéis destinados a decorar a Sala dos Actos do novo edifício da Escola
Médica de Lisboa.
Em 1909 retoma regularmente, até 1940, as suas participações nas Exposições da Sociedade Nacional de Belas-Artes. Em 1911 pinta Sufrágio, alegoria às eleições para a vereação da Câmara Municipal de Lisboa que deram a vitória à lista do Partido Republicano e, com Benvindo Ceia, as pinturas do pano de boca e do tecto do Teatro Politeama. Entre 1919 e 1921, executa As Constituintes,
para a luneta da sala da Câmara dos Deputados.
Em 1937 é aposentado da Escola de Belas-Artes de Lisboa. Dois anos depois a Academia Nacional de Belas-Artes organiza uma grande exposição retrospectiva da sua obra.

Rui Afonso Santos

in website do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado / Colecção / Artistas

Mensagem